As conseqüências de pais ausentes – publicado A TARDE

19 Sep 2019

A luta pelo sucesso prejudica o Ser Pai. O pai moderno, muitas vezes perplexo e angustiado, passa a vida inteira correndo como um louco em busca do futuro e esquecendo-se do seu maior tesouro, o filho.  Nesse anseio do ter, pais não vivem o presente e com prazer e orgulho, a cada ano, preenche a declaração de bens para o Imposto de Renda com lotes, apartamentos, casa de praia, automóveis e abordam aos amigos que tudo custou lutas, ele está sedimentando o futuro de sua família, pensa que se partir de repente, cumpriu sua missão e não deixará filhos desamparados.

Ele não se contenta com um emprego só, vende férias, leva serviço para casa, viaja bastante, almoça fora, por fim é um dinâmico executivo que não pode fraquejar. O cidadão que pensa no ter sempre mais, e, se esquece de que a verdadeira declaração de bens são os seus filhos, tesouro que verdadeiramente tem de mais primordial, que são os filhos que colocou no mundo, a quem tem o dever de dedicar o melhor do seu tempo, repassando educação, amor, exemplo e segurança.

Os filhos não estão interessados nos bens patrimoniais nem no aumento de renda familiar, eles querem um pai presente para conviver e compartilhar seus sentimentos e momentos. Uma realidade invisível, filhos crescem e pais nem percebem porque se entregou de tal forma a construção do futuro, que não participou de suas pequenas alegrias, não os levou ao colégio, a uma festa infantil, não foi a um estádio de futebol, ao cinema, ao teatro, dentre outras ações. Com estas atitudes os filhos se sentem como órfãos de pais vivos.

Com certeza, muitos filhos são órfãos de pais vivos, o pai para um lado e a mãe para o outro, e a família desestruturada, sem amor, sem dialogo, sem convivência. Há irmãos crescendo como verdadeiros estranhos, que só se encontram de passagem em casa, e para ver os pais, é quase preciso marcar hora e o resultado são jovens carentes de atenção e depressivos.

Pais que estão passando por dramática experiência pelo fato de não ter aplicado o melhor tempo aos filhos, como este depoimento: “Agora, estou com o resultado de tanto esforço: construir o futuro, penosamente, e não sei o que fazer com ele, depois da perda de Luiz Otávio e Priscila. O que valeu construir, se meus filhos não poderão mais constar na declaração de Imposto de Renda na linha de dependentes. Se o dinheiro e bens não foram capazes de comprar a cura do meu filho que se drogou e morreu; não foi capaz de evitar a fuga de casa de Priscila que se prostituiu, e dela não tenho mais noticias, para que serviu a ambição e escravo do Ter bens e dinheiro” se não é capaz de ser pai presente e amigo. As conseqüências de pais ausentes têm levado filho cometer até suicídio e ingressar na delinqüência.  

 

Alderico Sena – Bacharel em Teologia, Sociedade e Política e Especialista em Gestão de Pessoas – aldericosena@gmail.com – www.aldericosena.com

Please reload

Arquivos Recentes
Please reload