Qual o Brasil que desejamos para as gerações que virão? Noticia Livre

O Brasil precisa de mudanças radicais e ousadas para resgatar a moralidade dentro dos Poderes Constituídos. O Brasil carece de lideranças que se caracterizem por princípios de caráter, competência e compromisso para a condução da coisa pública com eficiência e eficácia. O Brasil necessita de novos cenários para crescer e ser um País forte, considerando as suas riquezas naturais. A sociedade precisa se interessar pela política para eleger e reeleger políticos qualificados que governem e que exerçam seus trabalhos legislativos com isenção e imparcialidade para procederem às reformas que o país necessita, tais como: política, tributária, previdenciária, e penal, priorizando a aprovação do Imposto sobre grandes fortunas constante no Artigo 153 - Inciso IV da Constituição Federal. O Brasil requer também urgentemente um maior investimento na educação, na saúde e na segurança, assegurado nos Artigos 144, 196 e 205 da Constituição Federal. Perguntar às autoridades do Executivo, Legislativo e Judiciário não é uma ofensa, é um direito constitucional. Cadê à aplicabilidade do Art.37 da C.F, que diz “A administração publica direta, indireta ou fundacional, de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e, também...”, visando preservar a moralidade da coisa publica e também proporcionar a redução da miséria e das desigualdades sociais. Não podemos mais permitir a indiferença, o desrespeito e a irresponsabilidade de alguns representantes que conduzem a coisa pública. O exercício de cidadania de todos os cidadãos é de fundamental importância para novos cenários, o crescimento e o desenvolvimento do País. A palavra-chave é organização, participação e menos omissão. Com a cooperação do cidadão na defesa da coisa publica com certeza reduziremos a corrupção e a impunidade no Brasil. O povo precisa entender que para mudar o modelo de gestão da coisa publica no País para a geração de emprego, renda e a redução das desigualdades sociais, é preciso uma maior participação e menos omissão da sociedade. É o povo quem melhor conhece os problemas reais de uma comunidade, classe, bairro, município, Estado e do País. Chamamos a atenção da sociedade que o perfil dos representantes políticos da cidadania; a opção é do eleitor. Frase do Rui Barbosa “O homem que não luta pelos seus direitos não merece viver.” O crescente movimento de participação social está ligado à noção de “cidadania”. Cidadania não é apenas um direito, mas, sobretudo, tomada de consciência e responsabilidade social. “O pior analfabeto é o analfabeto político. “Ele não sabe que o custo de vida, o preço do feijão, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem de decisões políticas” Brecht

O Brasil precisa de novos rumos e é a cidadania, que tem o dever cívico e patriótico de exigir dos políticos e governantes eleitos o cumprimento da Constituição Federativa do Brasil e não beneficiar interesses coletivos e de grupos econômicos. Isenção, imparcialidade, ética e honestidade na condução da coisa pública é preciso. A despolitização e a falta de consciência política dos eleitores só contribuem para os desmandos praticados contra a sociedade e o Brasil, inclusive para o elevado índice de 14 milhões de desempregados e também para o fechamento de empresas pelo País. Todos os cidadãos estão pagando pelos erros do passado pela pratica da política do EU (individualismo) e não da política do NÓS (Coletiva).

De Mãos Dadas Agente Constrói Um Brasil Melhor Para Todos! Vamos juntos cooperar, mudando nossos comportamentos e atitudes para construirmos um Brasil melhor, visando às futuras gerações? “Todo homem, cada homem, é responsável pelo destino da humanidade, por suas ações ou omissões”. “O individualismo é que gera o egoísmo, raiz de todos os males” “Se você vive julgando a pessoa não tem tempo para amá-las. ” e nem também pensar no próximo e no País! Qual o Brasil que desejamos para as gerações que virão? O momento é de reflexão e ação. Querer é poder, visto que o eleitor tem a arma do voto nas eleições de 2020 e 2022!

Alderico Sena – Bacharel em Teologia, Sociedade e Política, Especialista em Gestão de Pessoas e Coordenador de Pessoal da Assembléia Estadual Constituinte 89 – aldericosena@gmail.com

Arquivos Recentes