Republicação "O Analfabeto político"

“O analfabeto político”

Publicado: 02 Abril 2016 – Alderico Sena

O Brasil pede clemência ao cidadão eleitor, a partir das próximas eleições, considerando que toda e qualquer decisão é política. Classifico a política como Símbolo Nacional de que todos brasileiros deveriam participar para eleger homens de bons costumes para ajudar a moralizar e construir um Brasil melhor. No entanto sem exercício de cidadania não alcançaremos o fortalecimento das instituições publicas e o desenvolvimento do Brasil.

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos: a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana; os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político.

Como poderemos ser uma sociedade livre, justa e solidária; garantir o desenvolvimento nacional; erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais; promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação se a sociedade não participa e passa cheque em branco aos políticos, através dos Poderes para conduzirem os destinos de municípios, estado e União?

São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o transporte, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, na forma da Constituição, mas cadê a qualidade na prestação de serviços, em retorno aos impostos?

Cada cidadão tem o direito de viver, de ser livre, de ter sua casa, de ser respeitado como pessoa, de não sofrer coação, de não sofrer preconceito por causa do seu sexo, de sua cor, de sua idade, do seu trabalho, da sua origem, ou por qualquer outra causa. Esses direitos são invioláveis e não podem ser tirados de ninguém. Tudo isto amparado na Lei Maior do País. É importante lembrar que como cidadãos não têm somente direitos, mas também deveres para com a nação, além da obrigação de lutar pela igualdade de direitos para todos, de defender a pátria, de preservar a natureza e de fazer cumprir as leis no cumprimento dos deveres cívicos, visando o bem comum de todos.

Quais os direitos da cidadania: Ir e vir em todo território nacional em tempo de Paz; Direito de igualdade perante a Lei; Direito de não ser torturado e de não receber tratamento desumano ou degradante; Direito a sua intimidade, sua vida particular, sua honra, sua imagem, à inviolabilidade de seu domicílio, de sua correspondência, de suas comunicações telegráficas, de dados e telefônicas; Direito de liberdade de expressão de atividade artística, intelectual, científica, literária, e de comunicação; Direito de reunião e às liberdades políticas e religiosas; Direito à Informação, Direito de propriedade; E os deveres: Votar para escolher nossos representantes nos poderes executivos e legislativos; Cumprir as leis; Respeitar os direitos sociais; proteger a natureza; Proteger o patrimônio público, dentre outros deveres cívicos.

Todos os indivíduos têm direitos e deveres. Devemos lutar para que os direitos sejam respeitados, e, ao mesmo tempo, ter consciência dos deveres e cumpri-los. A sociedade tem o dever de pagar impostos e todos servidores dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário têm o dever de prestar serviços públicos de qualidade à sociedade.

Ser cidadão é fazer valer seus direitos e deveres civis e políticos, é exercendo a sua cidadania. Com o não cumprimento do dever o cidadão pode ser processado juridicamente pelo país e até mesmo privado de sua liberdade. Por fim, se realmente queremos ser cidadãos plenos e conscientes de nossos deveres de cidadania, temos que saber lutar para que as leis vigentes e a Constituição da República Federativa do Brasil sejam cumpridas para preservar e garantir um Brasil mais justo para as gerações que virão.

“O analfabeto político

O pior analfabeto, é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, não participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe que o custo de vida, O preço do feijão, do peixe, da farinha Do aluguel, do sapato e do remédio Depende das decisões políticas. O analfabeto político é tão burro que Se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia política. Não sabe o imbecil, Que da sua ignorância nasce a prostituta, O menor abandonado, O assaltante e o pior de todos os bandidos Que é o político vigarista, Pilantra, o corrupto e o espoliador Das empresas nacionais e multinacionais”.

Bertold Brecht

Alderico Sena – Bacharel em Teologia, Sociedade e Política e Especialista em Gestão de Pessoas –www.aldericosena.com – aldericosena@hotmail.com

Arquivos Recentes