Escassez de lideranças no Brasil

Publicado no Jornal Noticia Livre

Quando tínhamos uma juventude ativa e participativa com Diretórios e Grêmios organizados

nos Colégios e nas Universidades, liderados por cabeças pensantes, ali nasciam os

verdadeiros políticos, idealistas e comprometidos com as causas ideológicas e sociais do

Brasil. Dos anos 90 para cá, idealistas e lideranças de segmentos da sociedade ficaram sem

oportunidades para disputar uma eleição em igualdade de condições, passou a prevalecer

o TER de recursos e não o SER de princípios e valores. O eleitor é o grande responsável

pelo nível de político que está representando a sociedade, considerando que após a

Constituição Federal de 1988, o representante da cidadania, a opção é do eleitor.

O eleitor precisa se educar politicamente e procurar entender o sistema político do Brasil. O

Presidente, Governadores e Prefeitos não administram sem um Congresso Nacional,

Assembléias Legislativas e Câmaras Municipais, composto de Vereadores, Deputados

Estaduais, Federais e Senadores dignos. Na próxima eleição em 02 de outubro de 2016 o

eleitor não pode anular ou votar em branco para não eleger e reeleger Vereadores e

Prefeitos inescrupulosos que manipulam eleitores desinformados. Renovar é preciso,

consciência política e exercício de cidadania são as ARMAS do eleitor para salvar, moralizar

e revitalizar os objetivos dos Três Poderes Constituídos que perderam as suas essências.

Com a reforma do Sistema político e a qualidade na educação poderá acabar de uma vez

por todas com a corrupção e com o balcão de negócios na política, e assim qualquer cidadão

vai poder disputar uma eleição em igualdades de condições. Defendo uma Revisão

Constitucional, inclusive para coibir o carnaval de criação de Partidos políticos, apenas para

obter fundo partidário.

O que é mais amedrontador no conceito de escassez de liderança, é a falta de respeito à

sociedade, falta de ética de Membros nos Poderes Constituídos e o fato de jovens brilhantes

não desejarem o mundo da política. É preciso criar ambientes para que os jovens brilhantes

floresçam. Acredito que sempre vai haver gente boa atraída pela política. O desafio é criar

um ambiente para que se possa contribuir de forma positiva para a sociedade. O jovem

necessita de espaço para ousar e mostrar suas idéias e ações. Motivar e resgatar vocações

e talentos nos jovens deve ser uma questão de compromisso e exercício de cidadania de

todos e o primeiro passo é revitalizar diretórios com organização, participação e foco

nos objetivos. “ENGAJAR-SE NA POLÍTICA PODE SER A ONDA DO FUTURO”. Barack

Obama.

Diante desse cenário de escassez de liderança, os jovens atuam nas redes sociais para criar

movimentos sem foco e direcionamento, com isso, a idéia de liderança se torna muito mais

difusa. Não acredito que esse conceito de liderança espalhada, sem um líder específico, seja

o correto e promissor. Apesar disso, ainda há espaço para o nascimento de líderes

individuais. “No coração de um líder não há lugar para indiferença”.

A ideologia perdeu espaço no processo de nascimento de um líder. Quais são os efeitos

disso? A ideologia tem papel menos importante na política da Europa Ocidental, mas

claramente define a política dos Estados Unidos. Mas são inegáveis que, hoje, o que leva

um indivíduo a votar é questões muito mais profundas e complexas do que antigamente,

quando se seguia um Programa de Partido e pronto.

Jovens estudantes, ninguém é tão forte quanto todos juntos, o futuro aguarda vocês e seus

filhos, e esse futuro para ser melhor depende de decisão política, líderes autênticos,

idealistas e de políticos honestos que defendam os interesses da Nação e do Brasil e não

aqueles que só defendem Poder e Capital, raiz de todos os males, inclusive da corrupção e

da violência.

A crise moral e política que ora o País vive, tem como fatores cruciais: Escassez de líderes,

Poderes Constituídos impotentes, péssima educação política do eleitor e Sistema político

arcaico, falido e corrupto. A corrupção tem que peso nessa piora da avaliação das

lideranças. A força da idéia de corrupção está intimamente ligada à perda de princípios e

valores.

Educação e consciência política são as ferramentas essenciais para mudar a situação de

descrença na classe política - não apenas porque uma população mais educada tem mais

acesso à informação e pode votar de forma mais consciente, mas também porque, por meio

da educação, cria-se massa crítica para exigir melhorias, viabiliza mudanças e conquistas

para sociedade e o Brasil.

Cidadão, quem cria e descria qualquer coisa é o SER HUMANO. Mudar comportamento e

atitude é a ferramenta educacional do POVO. Precisamos pensar no destino do Brasil e das

gerações que virão. Investir no jovem é um cenário promissor. O momento é de reflexão e

ação. Querer é poder! “Educação não transforma o mundo. Educação muda pessoas.

Pessoas transformam o mundo.” Paulo Freire.

É hora de ação e não de omissão!

ALDERICO SENA, Especialista em Gestão de

Pessoas www.aldericosena.com –aldericosena@hotmail.com

Arquivos Recentes