Desestruturação Familiar e Educacional

A desestruturação familiar e educacional do “Homem” tem levado o ser humano a comportamento extremo que faz necessário um novo modelo do Sistema educacional, com critérios de fiscalização e de concessão de Alvará de funcionamento de Estabelecimento de ensino no Brasil. O ensino púbico necessita de padrões curricuares nas facudades de pedagogia que verdadeiramente preparem o professor para dar uma boa aula. Para avaliar como esta a educação no Brasil, é só pedir a um aluno que concluiu qualquer curso em facudade uma redação para entender por que o brasileiro escreve tão mal.

Educação em tempo integral às crianças na escola se faz necessário como defende o PDT- Partido Democrático Trabalhista em seu programa. “Só nos resta à esperança radical, que devolva aos brasileiros a ousadia de tudo repensar para reinventar o Brasil que queremos” Darcy Ribeiro. “Acima dos ódios e das rivalidades, acima dos partidos e das competições, paira a imagem da Pátria.” Getúlio Vargas.

Resgatar a família, a educação e o Brasil, é um dever cívico de todo cidadão, é também refletir o passado, procurar viver melhor o presente pensando no futuro. É possível fazermos com consciência de que as gerações de hoje não devem esquecer-se de lembrar que a história de uma cidadania/nação é sempre uma lição para as gerações vindouras. A educação está deseducada em casa e na escola, enfim em todos os meios sociais. Raiz geradora da violência.

Nos anos 60 a 70, existia a disciplina OSPB-Organização Social e Política, onde as crianças eram educadas e orientadas para, acima de tudo, respeitarem a Pátria, os pais, os mais velhos, um padre, um policial, enfim todos os cidadãos. Hoje é vergonhoso como o desrespeito já começa em casa e reflete na escola. As crianças não respeitam mais os professores não por culpa deles, mas sim, por culpa de muitos pais e governantes que não colocam a questão da educação como prioridade, afinal educação é à base do desenvolvimento humano de um País.

Dos anos 80 para cá, o ser humano passou a ser egoísta, individualista, corporativista, ambicioso e passou a ter também, comportamentos de seres irracionais, sempre agindo de má fé para com o próximo e esqueceu o principal, a família e, em especial, os filhos. Para a juventude dos anos 60 e 70 o que existia de mais precioso eram: amizade, lealdade, pureza, solidariedade, cooperação, relacionamento proveitoso e honesto, união e o mais bonito eram: (UM POR TODOS, TODOS POR UM) onde só se pensava no SER e não no TER do cidadão. TER, na época era coisa careta, os jovens andavam “sem lenço e sem documentos” e hoje o TER, na cabeça dos jovens, é o grande causador do ingresso na delinqüência e da sua própria destruição.

Muitos pais esquecem que seus filhos não estão interessados em relação de bens patrimoniais e em contas bancárias gordas, o que querem é um amigo para conversar, assistir um filme, um jogo, curtir um restaurante, enfim ser um irmão de fé e camarada.

Hoje, o que mais se vê são filhos órfãos de pais vivos. É mãe para um lado e o pai para o outro, a criança desamparada sem amor, sem diálogo, sem carinho, psicologicamente arrasada e desorientada. Existem famílias que irmãos crescem como verdadeiros inimigos e que se encontram por acaso em suas próprias casas. Quando querem falar com o pai, esse se encontra ocupado, a mãe também, enquanto o filho pode estar usando alguma droga, praticando vandalismo, convivendo ou sendo catequizado por grupos maléficos.

Senhores pais, a juventude encontra-se desestimulada e alheia, está à margem. Muitas vezes, por desencanto ou por ser órfão de pai e mãe vivos, vai buscar no tóxico e na vadiagem, a solução para suas carências que, certamente não existiriam se houvesse mais carinho, amor, harmonia e paz nas famílias. Pensem nisso senhores pais, será que vamos continuar pecando com os nossos filhos ou vamos procurar ser mais do que ter mais. Vamos juntos resgatar a família, a educação e o Brasil.

“Todo homem, cada homem, é responsável pelo destino da humanidade, por suas ações ou omissões”.

“O individualismo gera o egoísmo, raiz de todos os males”.

“A dignidade do homem reside na família (Papa João Paulo II)”.

“O cidadão que não conhece os seus direitos, não tem o direito de lutar por eles”. O momento é de reflexão e ação. Não podemos esperar por vontade política de governo, porque o instrumento de mudança está nas mãos de cada cidadão.

Princípios familiares e educacionais são as ferramentas básicas de transformação e socialização do ser humano, considerando que família é o alicerce e educação e a base de tudo do cidadão.

Alderico Sena – aldericosena@hotmail.com.br - Especialista em Gestão de Pessoas, Coordenador de Pessoal da Assembléia Estadual Constituinte-89, Presidente Estadual e Vice Presidente Nacional do Movimento dos Aposentados, Pensionistas e Idosos do PDT e Vice Presidente da Executiva Municipal da Cidade do Salvador do PDT- Partido Democrático Trabalhista

Arquivos Recentes